Guimel Tamuz

rebe_home

Nesta data de Guimel Tamuz em que celebramos o aniversário de ausência, falecimento do Rebe, o que lhe oferecemos?

Fortalecemos ainda mais nossa conexão colocando em prática seus ensinamentos, transmitindo seu legado e sua obra a todos a nossa volta e sobretudo, seguindo seu exemplo: viver Torá e amar ao próximo com entusiasmo e alegria.

O artigo a seguir é uma tradução livre de uma carta pública escrita pelo Rebe pouco antes do primeiro yahrtzeit (aniversário de falecimento) de seu sogro e predecessor, Rabi Yossef Yitshac Schneersohn de Lubavitch, na qual o Rebe orienta os chassidim sobre como observar o yahrtzeit. Os chassidim observam estes mesmos costumes na data de falecimento do Rebe, 3 de Tamuz.

A carta é datada de Rosh Chodesh Shevat, 5711 [8 de janeiro, 1951].

Pela Graça de D’us
Rosh Chodesh Shevat, 5711
Brooklyn, NY

Aos membros da nossa comunidade, os Temimim1, e a todos que estão de alguma maneira conectados com meu reverenciado sogro o Rebe, de abençoada memória.

D’us abençoe a todos.
Saudações e bênção:

Em resposta aos muitos pedidos para uma programação detalhada para o próximo Dez de Shevat, yahrtzeit de meu respeitado sogro o Rebe, hareini kaparat mishkavo2, por meio desta sugiro o seguinte:3

No Shabat anterior ao yahrtzeit, cada qual deve tentar ser chamado à Torá para uma aliyá. Se não houver aliyot suficientes, a Torá deve ser lida algumas vezes em salas diferentes. No entanto, nenhuma adição deve ser feita ao número de aliyot por leitura4. Aquele que é homenageado com Maftir deve ser o mais respeitado convergente, conforme determinado pela maioria; alternativamente, a escolha pode ser determinada por sorteio.

A congregação deve escolher alguém para liderar as preces no dia do yahrtzeit. É adequado dividir a honra, escolhendo uma pessoa para liderar o serviço noturno (Maariv), uma segunda para liderar o serviço matinal (Shacharit), e uma terceira – o serviço vespertino (Minchá). Assim um número maior de membros da comunidade terá o privilégio.

Uma vela de yahrtzeit deve ser acesa para arder durante vinte e quatro horas. Se possível, a vela deve ser de cera de abelha.

Cinco velas devem ser acesas durante os serviços de preces.

Após cada serviço de prece (no serviço matinal – após a leitura de Tehilim), aquele que lidera as preces deve estudar (ou pelo menos concluir o estudo de) as seguintes seleções da Mishná: Capítulo 24 de Keilim e capítulo 7 de Mikvaot. Ele deve então recitar a mishná “Rabi Chananyah ben Akashya…”, seguido silenciosamente por algumas linhas do Tanya, e Kadish de Rabanan.

Após Maariv, parte do maamar (discurso) intitulado Bati LeGani, que o Rebe liberou para o dia de seu falecimento, deve ser recitado de memória. Se não houver ninguém para fazê-lo de memória, deve ser estudado do texto. Isto deve ser continuado após Shacharit, e o discurso deve ser concluído após Minchá.

Antes de Shacharit, deve-se estudar um capítulo do Tanya. Isso também deve ser feito após Minchá.

Pela manhã, antes da prece, deve-se doar para causas de caridade associadas com nosso Nassi, meu reverenciado sogro, de sagrada memória. As doações devem ser feitas em nome de si mesmo e em nome de cada membro da família. O mesmo deve ser feito antes de Minchá.

Após Shacharit e a recitação do maamar, cada indivíduo deve ler um pidyon nefesh. (Desnecessário dizer que um gartl deve ser usado durante a leitura.)

Aqueles que tiveram o privilégio de serem recebidos pelo Rebe em yechidut, ou pelo menos ver seu rosto, deveriam – enquanto lêem o pidyon nefesh – visualizar-se como estando perante a sua presença. O pidyon nefesh deve então ser colocado entre as páginas de um discurso maamar ou outro panfleto de ensinamentos do Rebe, e enviado, se possível no mesmo dia, para ser lido no seu túmulo.

No decorrer do dia a pessoa deve estudar capítulos da Mishná com as letras do nome do Rebe.

No decorrer do dia a pessoa deve participar de um farbrenguen (reunião chassídica).

No decorrer do dia a pessoa deve reservar um tempo para falar com a família sobre o Rebe, e sobre as missões espirituais que ele cumpriu durante a vida.

No decorrer do dia, as pessoas (às quais esta tarefa seja apropriada) deve falar em sinagogas e casas de estudo em suas cidades e citar um dito ou adágio dos ensinamentos do Rebe, Eles devem explicar como ele amava todo judeu.

Devem divulgar e explicar a prática que ele instituiu de recitar Salmos todo dia, estudando a porção diária de Chumash com o comentário de Rashi, e (para audiências adequadas) estudar o Tanya conforme ele o dividiu em leituras diárias para todo o ano. Se possível, isso deve ser feito durante um farbrenguen.

No decorrer do dia, as pessoas (que estejam aptas para esta tarefa) devem visitar centros de jovens observantes – e, num espírito de boa vizinhança, fazer todos os esforços para visitar também centros para jovens que ainda não são observantes – para falar-lhes sobre o grande amor que o Rebe tinha por eles.

Deve-se explicar a essas pessoas o que o Rebe esperava delas, sua esperança e a confiança que ele depositava neles, de que cumpririam a tarefa de fortalecer o Judaísmo e disseminar o estudo de Torá com toda a energia, calor e vitalidade que caracterizam a juventude.

Se as condições permitirem, todo o acima deve ser continuado durante os dias seguintes ao yahrtzeit, especialmente no Shabat seguinte.

Que D’us apresse a vinda do nosso Redentor, e então “Aqueles que habitam no pó despertarão e se alegrarão.” E nosso Nassi entre eles nos dará maravilhosas notícias, e nos liderará pelo caminho que leva à Casa de D’us.

[Assinatura do Rebe]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s