Bnei Noach 

Sheva Mitzvot B’nai Noah são os mandamentos que foram dados a Noé após o dilúvio como leis para toda a humanidade. Assim, enquanto os judeus estão obrigados a cumprir 613 mandamentos da TORÁ os não-judeus seriam obrigados a seguir apenas as Sete Leis de Noé. O cumpridor destes mandamentos é chamado Ben Noah.

A observância e guarda do Sábado não está incluída nas Sete Leis de Noé , já que este mandamento foi dado exclusivamente aos povo de Israel.

As Sete Leis de Noah são genericamente:

Avodah zarah – Não cometer Nenhuma idolatria. Reconhecer e rezar apenas para D’us

Shefichut damim – Não assassinar, não cometer suicídio, não cometer aborto

Guezel – Não roubar, não furtar, não sequestrar pessoas, não assaltar, não estelionatar.

Guilui arayot – Não adulterar, não cometer incesto , não cometer ato homossexual masculino, não fazer sexo com animais, não cruzar raças diferentes de animais, não castrar animais

Birkat Hashem – Não blasfemar. Aceitar a singularidade de D’us, não praticar feitiçaria, não praticar nenhum tipo de adivinhação, nâo praticar conjurações (não jurar) não cultuar o diabo , não fazer consulta a mortos, Honrar pai e mãe

Ever min ha-chai – Não maltratar aos animais. Não comer um membro de um animal (enquanto ele ainda está vivo)

Dinim – Estabelecer sistemas e leis de honestidade e justiça. Estabelecer tribunais e sistemas de justiça, Não dar falso testemunho nem fazer falsos juramentos

🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵🌵

Pergunte ao Rabino (sobre essa seção)

Pergunta feita por : NAO DESEJO QUE MEU NOME APARECA NO SITE .

Quais efeitos negativos traz sobre a vida de alguem que pratica o homossexualismo, mas que pratica de outra forma sem haver sodomia ?

Resposta:

      Todas as relações proibidas pela Torá chamadas de “guilui arayot” entram na regra de “preferível morrer do que fazer”. Ou seja, as vezes uma pessoa nasce ou adquire uma inclinação sexual pela mãe ou pela  irmã ou pela filha ou pela mulher proibida ou pelo animal ou homem por homem. Quando essa inclinação faz parte da natureza da pessoa com ela ele nasce e com ela ele vai morrer. Quando essa inclinação é adquirida pelo meio ambiente pode ser totalmente excluída, ou seja, sem ela ele nasce (mas adquiriu ela depois) e sem ela ele vai morrer (por ter refinado seu caráter usando a Torá como referencial). Tanto a pessoa que nasceu assim quanto o que se tornou assim não deve incentivar a inclinação proibida mas deve direcionar seu pensamento fala e ação para coisas permitidas , consequentemente a inclinação proibida enfraquece. A Torá não só que não culpa ele por ter nascido assim mas elogia ele por não ter alimentado sua inclinação e considera ele muito maior do que aquele que nasceu sem essa má inclinação

A Torá nos conta sobre Yaakov e Essav que no ventre da mãe Rifká já tinham cada um uma inclinação diferente antes de nascerem. Quando Rifká estava grávida e passava perto de uma idolatria Essav queria nascer. Quando ela passava do lado da Yeshivá de Shem ou da Yeshivá de Ever Yaakov queria nascer. Ou seja, D’us criou dois tipos de almas com dois trabalhos diferentes, dois tipos de alegria Divina em relação a nós. Por exemplo, todos nós gostamos de docinhos e salgadinhos. Quais são os docinhos e salgadinhos no trabalho Divino? Uma pessoa que nasce com inclinação para fazer coisas boas, quando ela faz essas coisas boas na prática esse trabalho vai ser comparado aos docinhos do nosso exemplo. Outra pessoa nasce com inclinação para fazer coisas proibidas pela Torá. O fato de ele não fazer essas coisas mesmo tendo vontade é comparado aos salgadinhos do exemplo. Hashem está feliz com cada tipo de trabalho Divino. Depois dos 120 anos de vida, se Essav chegasse no céu e o tribunal Divino perguntasse para ele o que ele fez nesse mundo e ele respondesse :- “Absolutamente nada!”  Iria para o paraíso direto. Porque ele teria feito o trabalho Divino que no caso dele era de  não fazer coisas proibidas pela Torá mesmo tendo  vontade.
Rabino Gloiber

sempre correndo

mas sempre com você

🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻🎻

Comment: Olá Rabino! Que o Eterno abençoe este trabalho que vem empenhando!

Eu abri um pequeno comercio e fiz uma Aliança com O Eterno de não abrir no dia de Shabat, mas depois de alguns estudos descobrir que a guarda do Shabat foi dada aos judeus.

Apesar de ter sobrenomes anussim e assim possível descendência, mas sei que não posso usurpar a identidade judaica. Gostaria de saber a sua opinião sobre essa aliança, se ela pode ser desfeita, mas eu me sinto muito bem com esta aliança e só de pensar em quebra-lá já me sinto mal.



Pergunta respondida por Edna Winter
Prezado,

Shalom!
As leis referente a guarda de Shabat são exclusivas do povo judeu, porém o bnei noach(filhos de Noé) receberam leis específicas na Aliança Noética após o Dilúvio. O não judeu que tem o desejo de não trabalhar ou abrir seu comércio no Shabat ele pode, desde que não use isso como uma obrigação, mas sim como um desejo voluntário.

O que você deve ter em mente é que qualquer coisa que faça dentro das leis judaicas não seja vista como uma obrigação, mas sim como um desejo voluntário de fazer.
Com relação a sua “aliança”, que acredito ser um voto que você fez, entendo que foi algo do seu desejo de servir ao Criador da melhor maneira possível.

Então, não se pode fazer votos que não consiga cumprir, isso seria tolice como a Bíblia diz em Eclesiastes, 5.5

Ao mesmo tempo que você pergunta se pode desfazer essa “aliança”, você mesmo se responde com a frase: “mas eu me sinto muito bem com esta aliança e só de pensar em quebra-lá já me sinto mal”. Lembre-se que você não tem obrigação nenhuma de fechar seu estabelecimento no Shabat, mas se quer fazê-lo faça não como uma lei, mas como uma observância à santidade do dia.
O fato de ter ascendência ou sobrenome anoussim,não dá direito a identidade judaica. Mesmo que comprove tudo isso, para se tornar judeu precisará fazer conversão como qualquer um.

Aproveite seu desejo de descansar no Shabat para estudar sobre a religião judaica e seus pormenores. Isso ajudará você a encontrar a sua verdadeira identidade.
Shavua Tov!
Edna Winter

Voluntária na Ong Torá

OBSERVAÇÃO DO RABINO: Edna, você é uma Rabanit brasileira!!!

Amei a sua resposta!!!