Chanuká

Hanucá

Hanucá comemora a reinauguração do Templo Sagrado de Jerusalém, após a vitória dos macabeus e é celebrada durante oito dias através do acendimento da hanukiyá.

Hanucá significa, literalmente, “Inauguração”.

A festa recebeu este nome em comemoração ao fato histórico de que os macabeus “hanu” (descansaram) das batalhas no “cá” (25º dia) de Kislêv.

Por que comemoramos Hanucá

Antiocus, rei da Síria, governou a Terra de Israel depois da morte de Alexandre, o Grande. Pressionou os judeus a aceitarem a cultura grega proibindo o cumprimento dos mandamentos da Torá e forçando a prática da idolatria.

Em 165 AEC, os Macabeus se revoltaram contra o inimigo e os venceram milagrosamente
O Templo Sagrado, violado pelos rituais idólatras foi purificado e a Menorá reacesa com o azeite puro de oliva, descoberto no Templo.
A quantidade de azeite encontrada era suficiente para apenas um dia, mas milagrosamente durou 8 dias, até que um novo óleo puro pudesse ser produzido e trazido ao Templo.
Em lembrança destes milagres comemoramos Hanucá durante oito dias.

Os oito dias da Festa de Chanucá começam em 25 de Kislev. As luzes são acesas toda noite durante os oito dias da festa.

Nossos Sábios (Shabat 21b) perguntaram: O que é Hanucá? E nos ensinaram: A partir do vigésimo quinto dia de Kislev, são comemorados oito dias de Hanucá, durante os quais não são feitos discursos fúnebres e nem jejuns.
Quando os gregos entraram no Templo Sagrado de Jerusalém profanaram todos os azeites usados para acender a Menorá.
E quando a Casa Hasmoneana prevaleceu e os derrotou, eles procuraram e encontraram apenas uma ânfora de azeite com o selo do Cohen Gadol – e esta jarra tinha azeite suficiente para queimar um dia. Mas ocorreu um milagre e o azeite ardeu durante oito dias.
No ano seguinte, os Sábios da época designaram estes oito dias como uma festa, com canções de louvor e agradecimentos. Durante o período do segundo Templo Sagrado,
os reis gregos tinham feito decretos rigorosos contra Israel, proibindo nossas práticas religiosas e nos proibindo de estudar Torá e cumprir as Mitzvot.
Eles roubaram nosso dinheiro e nossas filhas, entraram no Santuário e profanando tudo que era ritualmente puro. Causaram grande angústia a Israel e oprimiram os judeus, até que D’us nos libertou, salvando-nos das mãos dos inimigos.
A Casa Hasmoneana – os Cohanim Guedolim – prevaleceram, matando-os e salvando Israel das mãos deles.
E eles nomearam um rei dentre os cohanim, e o reino de Israel foi restaurado por mais de duzentos anos, até a destruição do Segundo Templo Sagrado.
Foi no dia 25 de Kislev que Israel venceu seus inimigos. Entraram no Santuário e encontraram apenas uma ânfora [de azeite] puro que continha azeite suficiente para acender a Menorá um dia
Eles acenderam as luzes da Menorá, e milagrosamente durou oito dias, até que prensassem azeitonas para extrair azeite puro
Os Sábios daquela geração portanto decretaram que esses oito dias, começando em 25 de Kislev, fossem designados dias de júbilo e louvor, e que se acendessem luzes na entrada das casas em cada uma dessas oito noites, para divulgar o milagre.
E estes dias são chamados de Hanucá – [inauguração, consagração; pode-se também interpretar a palavra como] hanu [eles descansaram] ca [no vigésimo quinto] – pois no vigésimo quinto dia eles descansaram da batalha contra seus inimigos.
O Talmud declara que os dias foram designados para “prece e agradecimento”.
Cumprimos a obrigação de “louvor” recitando Hallel completo durante Shacharit, as preces matinais em todos os oito dias de Hanucá.
A obrigação de “agradecimento” é cumprida recitando-se Al haNissim que é inserido na prece Amida e no Bircat Hamazon, prece de Graças Após as Refeições quando se come pão, hamotsi.
Costumes de Hanucá

Como Acender a hanukiá:

Uma hanukiyá tem oito braços numa fila reta de igual altura.
O shamash (vela auxiliar), usado para acender a hanukiyá, é colocado mais alto ou à parte das outras.
Uma hanukiyá que funcione com eletricidade pode ser usada como decoração de hanucá, mas não cumpre a mitsvá (conexão com D’us) de acendimento da hanukiyá.
Parte da mitsvá de Hanucá é a divulgação do milagre de Hanucá, portanto colocamos a hanukiyá no batente oposto à Mezuzá, ou numa janela, claramente visível do lado de fora.
Velas podem ser usadas, mas devido ao seu papel no milagre de Hanucá, uma hanukiyá com azeite é especialmente significativa.
Na primeira noite de Hanucá, reúna a família para o acendimento da hanukiyá. Antes de acender, recite a bênção apropriada.
Utilize o shamash para acender a primeira vela, no extremo direito da hanukiyá.
Na segunda noite, acenda uma vela adicional à esquerda da vela acesa na noite anterior. Repita o mesmo processo a cada noite de Hanucá, onde a vela a ser acesa é sempre a nova, procedendo da esquerda para a direita.
As velas devem ficar acesas durante pelo menos meia hora.
Se uma vela apagar durante o período em que deveria estar ardendo, deve ser reacendida (se não for Shabat).
Na noite seguinte, os pavios e o azeite restantes podem ser reaproveitados.
A luz da hanukiyá é sagrada e não pode ser utilizada para outro fim, como leitura ou trabalho.
Acendimento na véspera e após o Shabat
Na tarde de sexta-feira, acendemos as velas de Hanucá pouco antes das velas de Shabat. (No Shabat é proibido acender uma chama).
A hanukiyá não pode ser tocada ou removida depois de seu acendimento na sexta-feira até sábado após o anoitecer.
No sábado, as velas de Hanucá somente são acesas após o final do Shabat, depois que a prece de Havdalá é feita.
Luzes, velas, ação!
Primeiro, acende-se o shamash, depois vamos dizer as seguintes bênçãos:
1. Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech Haolam, asher kideshánu bemitsvotav, vetsivánu lehadlic ner Chanucá.
(Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D’us, Rei do Universo, que nos santificou com Seus mandamentos, e nos ordenou acender a vela de Chanucá).
2. Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech Haolam, sheassá nissim laavotênu, bayamim hahêm, bizman hazê.
(Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D’us, Rei do Universo, que fez milagres para nossos antepassados, naqueles dias, nesta época).
Na primeira noite ou pela primeira vez, acrescenta-se:
Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech Haolam, shehecheyánu vekiyemánu vehiguiyánu lizman hazê.
(Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D’us, Rei do Universo, que nos deu vida, nos manteve e nos fez chegar até a presente época).
Em seguida, acendem-se as velas da chanukiyá com o shamash, da esquerda para a direita.

Após acender as velas, coloca-se o shamash à esquerda da chanukiyá de modo que fique mais alto do que as chamas da chanukiyá, e dizemos:
Hanerot halálu ánu madlikin al hateshuot, veal hanissim, veal haniflaot, sheassíta laavotênu, bayamim hahêm, bizman hazê, al yedê cohanêcha hakedoshim. Vechol shemonat yemê Chanucá, hanerot halálu côdesh hem, veen lánu reshut lehishtamesh bahen, êla lir’otan bilvad, kedê lehodot ul’halel leshimechá hagadol, al nissêcha, veal nifleotêcha, veal yeshuotêcha.
(Nós acendemos estas luzes em virtude das redenções, milagres e feitos maravilhosos que realizaste para nossos antepassados, naqueles dias, nesta época, por intermédio de Teus sagrados sacerdotes. Durante todos os oito dias de Chanucá, estas luzes são sagradas, e não nos é permitido fazer qualquer uso delas, apenas mirá-las, a fim de que possamos agradecer e louvar Teu grande nome, por Teus milagres, Teus feitos maravilhosos e Tuas salvações.)

Sevivon:

Antíoco decretou que cada aula de Torá era crime punível com morte ou prisão. Em desafio, as crianças estudavam em segredo, e quando as patrulhas sírias eram avistadas, fingiam estar jogando uma inocente brincadeira de pião, também conhecido como dreidel (em yidish) e sevivon (em hebraico).
As Letras
Todo sevivon possui quatro lados com uma letra hebraica em cada um deles. Cada letra é a inicial de uma palavra. As quatro letras são:
Nun primeira letra da palavra Nes, que significa “milagre”
Guimel primeira letra de Gadol, que significa “grande”
Hei primeira letra de Haya, que significa “era” ou “foi”
Shin primeira letra de Sham, que significa “lá”
Juntas, estas letras formam a frase: “Um grande milagre aconteceu lá”.
Em Israel, ao invés da letra shin (para designar sham, lá), o sevivon possui a letra pei de pô, (aqui) para que as letras dos lados do pião forme a frase: “Um grande milagre aconteceu aqui”.
Atualmente
Uma vez que as crianças têm dinheiro e tempo livre, é natural que acabem brincando com o sevivon.
Mas o sevivon também tem uma mensagem especial: possui quatro lados, cada um com uma letra do alfabeto hebraico, formando a frase: “Um grande milagre aconteceu lá”, mostrando assim que, mesmo nos momentos de lazer, a pessoa deve lembrar que a Providência Divina dirige tudo, em todas as situações.
Hanucá Guelt:
Durante Hanucá é costume dar guelt (dinheiro) aos filhos, para ensinar-lhes a intensificar a caridade e as boas ações, e incrementar o espírito festivo da data.
Essa sutil forma de “suborno” é um componente essencial no processo educacional. Maimônides discute a importância de usar incentivos e prêmios até que uma criança tenha idade suficiente para entender por si mesma a importância e a beleza da Torá e Mitzvot.
O dinheiro que damos as crianças, o guelt de Hanucá, celebra a liberdade e o mandato de canalizar a riqueza material para fins espirituais.
Hanucá guelt pode ser dado a qualquer tempo no decorrer de Chanucá (exceto no Shabat).
Alguns têm o admirável costume de dar o guelt em todas as noites de Chanucá. Em Chabad, é costume dar toda noite, mas entregar uma soma maior na quarta ou na quinta noite.
Sonhos e Bolinhos de Batata:
Veja receitas para Hanucá:
https://ongtora.com/receitas-de-chanuca/
Na festa de Hanucá há o costume de comer comidas fritas em óleo como bolinhos de batata (levivot ou latkes), e sonhos (sufganiyot).
Estes alimentos são preparados e em honra ao milagre que ocorreu com o azeite.
Pratos à base de laticínios, como bolinhos de queijo, são também apreciados, pois lembram os feitos de uma famosa heroína judia, Yehudit, na época do Segundo Templo Sagrado de Jerusalém.
Israel encontrava-se sitiada pelo cruel e opressivo exército Greco-Sírio. Yehudit ajudou a assegurar a vitória para as forças judaicas, assassinando o terrível general do exército grego, Holofernes.
Deu a ele queijo salgado para comer, acompanhado de vinho forte para eliminar sua sede. O vinho o “derrubou” fazendo-o cair em sono profundo.
Yehudit então tomou de sua espada e o matou. Os soldados do general fugiram com medo. A vitória dos Macabeus seguiu-se a este ato de coragem